MENSAGEM GOSPEL - BATISMO EM DIFERENTES VISÕES | KARL BARTH - OSCAR CULLMANN

Artigos

BATISMO EM DIFERENTES VISÕES | KARL BARTH - OSCAR CULLMANN

Publicado em 12 de Junho de 2020 | Colunista:


O debate acerca do batismo cristão suscita o desdobramento de diversas questões que envolvem o assunto, tais como o significado soteriológico do batismo, as pessoas a quem ele deve ser ministrado, as formas de sua administração, bem como a definição quanto aos que estão habilitados a batizar (Ministros ou leigos). No meio protestante, antes que se proporcione o tempo necessário ao amadurecimento da discussão, a rotina eclesiástica exige posicionamentos doutrinários, cujas conclusões (quando existem!) Desembocam em procedimentos ritualístico inadiáveis: a quem batizar: adultos ou crianças/ Como batizar: Imersão ou aspersão? Quem batiza: o ministro ordenado ou um leigo piedoso? Neste livro temos o cotejo da visão de dois grandes teólogos do século XX, Karl Barth e Oscar Cullmann. Guiados por convicções pessoais, eles trataram do assunto com raro desprendimento em relação aos compromissos que tinha com a Igreja Reformada Luterana, respectivamente. Nesta obra de teologia comparada, a pesquisa que os dois teólogos empreendem resulta em uma curiosa inversão de expectativas quanto ao posicionamento deles diante questões práticas.

Credo | Karl Barth

Este livro Credo, escrito por Karl Barth, é uma profunda exegese do Credo Apostólico. Para Karl Barth, o Credo é um ato humano de reconhecimento da realidade de Deus, resposta coletiva, confessional, graciosa, exegética, proclamadora e missionária da Igreja. É, em suas palavras, um “ato de reconhecimento da limitação da Igreja em face aos mistérios da Fé”. O teólogo suíço vincula sua hermenêutica a estreito diálogo com o seu tempo a primeira metade do século XX e sugere que o leitor contemporâneo continue este processo, tornando-se coautor deste estudo, aplicando a concisa formulação produzida pela Igreja nos primeiros séculos do Cristianismo às questões que dominam o mundo atual.

Chamado Ao Discipulado | Karl Barth

O Chamado ao Discipulado, é um pequeno livro em que Karl Barth teólogo suíço da Igreja Reformada, faz ao leitor um retorno ao verdadeiro sentido do que é um discípulo de Jesus e, por seguinte ser cristão. Para Barth, o escutar o chamado do senhor é algo inerente a todos homens, mas o ouvir apenas aos discípulos. Ele nos fala do chamado do Mestre, das escolhas a serem feitas, das coisas a serem abraçadas e renunciadas, dos relacionamentos que devem ser refeitos, enfim, de uma nova maneira de ver o mundo por aqueles que ouvem o comando de Jesus Cristo. Ser discípulo é uma vocação, fruto da fé e graça, que se manifestam nas atitudes dos discípulos diante do seu mestre, mas sobretudo, diante do próximo, revelando-lhe. Àquele a quem segue.

Dogmática Eclesiástica | Karl Barth

Embora Karl Barth tenha um nome estabelecido no mundo teológico, e mesmo numa ampla esfera, o conteúdo e significado de sua principal obra. Dogmática da Igreja, não é tão amplamente conhecido ou apreciado como mereciam. A natureza vasta da obra, e os processos estendidos de composição, são de certo modo responsáveis. Em adição, o isolamento dos anos de guerra e o inevitável atrasou na tradução, tem provido fatores que contribuíram nas áreas de fala inglesa.

Em Circunstâncias, é natural que tenha havido várias tentativas de introduzir os leitores, especificamente, de forma mais suave à Dogmática. Esta é a proposta do professor Gollwitzer na presente obra, na qual ele tem e vista tanto um público amplo, bem como estudantes e pastores que sentem a necessidade de um guia inicial. Seu método também agrupar sob os principais temas que sirvam ao propósito da interpretação. Ele também contribuiu com um ensaio introdutório excelente que ajuda, admiravelmente, num entendimento da maturidade de Barth na Dogmática.

Deveria ser enfatizado que, enquanto a obra possa conduzir mais geralmente os leitores a um conhecimento frutífero de Barth, ela não pode substituir a Dogmática para os estudantes sérios. Se os principais temas e extratos foram judiciosamente selecionados, eles são, necessariamente, inadequados para conduzir a um pleno alcance ou conteúdo da obra. Muitos temas importantes tiveram de ser excluídos, e os estratos deles são, naturalmente, arrancados da sua mais imediata disposição. Isso não significa que o efeito total é extraviado. Nenhum guia mais competente ou simpatizante poderia ser mais desejado do que o professor Gollwitzer. Isso significa que a obra primeiramente serve seus intentos propostos de introdução e orientação, como também, isto é esperado, de estímulo.

Esboço de uma Dogmática | Karl Barth

Um dogma, no campo filosófico, é uma crença/doutrina imposta, que não admite contestação. No campo religioso é uma verdade divina, revelada e acatada pelos fiéis. No catolicismo os dogmas surgem das Escrituras e da autoridade da Igreja católica.

Isto seria uma definição simples, direta e muito superficial do que significa Dogma, e por conseguinte o seu conjunto, a Dogmática. Para Grandes teólogos como Emil Brunner, o dogma não é a palavra de Deus, nem pode substituí-la, mas certamente é um meio eficaz na sua compreensão w na sua divulgação, pois carrega em si o caráter didático.

Para Karl Barth, o realizar a dogmática era uma vocação, era seu sacerdócio: fazer conhecer a palavra de Deus pela capacidade de divulgação humana, palavra que é inspiradora ao homem de fé.

Nesta obra, que poderíamos chama-la de introdutória à maior obra de Karl Barth (Dogmática Eclesiástica), o teólogo suíço parto do Credo apostólico para formular um corpo dogmático cristão, em que a idéia de cada afirmação contida na mais antiga confissão de fé da igreja Cristã é tratada com grande profundidade.

Fé em Busca De Compreensão | Karl Barth 

A relação entre a fé e a razão está entre os temas teológicos mais difíceis e importantes e a ele retornam todos os grandes pensadores cristãos.

Foi o caso do grande teólogo medieval Anselmo da Cantuária de quem este estudo de Karl Barth trata. Este livro marca o início de uma ova fase na teologia de Barth que pouco depois da sua publicação daria início à Dogmática Eclesiástica.

Hans Urs Von Balthasar considerava esta obra a chave para a compreensão do convertido teólogo suíço.

Este livro teve grande influência sobre toda a tradição filosófica e teológica reformada no século 20, inclusive direta ou diretamente sobre pensadores mais conservadores como Cornelius Van Til e Francis Scharffer, ainda que não tenham dado a Barth o devido crédito.

Neste livro, ao discorrer sobre Anselmo e seu famoso argumento ontológico. Barth propõe uma nova metodologia para o trabalho teológico e sugere qual seria a maneira correta e a seu ver reformada de entender a relação entre a fé e a razão.

Palavra de Deus Palavra do Homem | Karl Barth 

Livro Palavra de Deus Palavra do Homem Karl Barth, o maior teólogo do Século XX, aborda temas e também trata a responsabilidade humana, sobretudo do cristão, perante seu próximo.

Conhecer a Palavra de Deus é sem dúvida um dos maiores desejos dos homens em todos os tempos. Na narrativa bíblica, desde seus primeiros relatos, Deus fala com os homens sobre a Sua vontade, sobre quem Ele é. Estes momentos descritos na Bíblia revelam a Justiça de Deus, Suas promessas, Sua ética, e Seu desejo para com o homem.

Saber da Palavra de Deus e sua vontade permite ao homem livrar-se da tentação de colocar a sua própria palavra como sendo proferida pela boca de Deus.

 O Pai Nosso | Karl Barth              

O Livro Pai Nosso do autor Karl Barth, trata sobre a prática cristã da oração, e conduz o leitor a importantes questões devocionais, numa perspectiva histórico-teológica. Em meio aos grandes embates teológicos que marcaram o século XVI, quando o estabelecimento dos axiomas reformados era o centro das preocupações para identificar o pensamento protestante, reformadores como Martinho Lutero e João Calvino dedicaram espaço nada desprezível para o estudo da Oração Dominical, popularmente conhecida como “Pai Nosso”.

Pai Nosso é uma obra marcante. Divide-se em três partes: Na primeira, Karl Barth registra algumas observações a respeito da maneira pela qual os Reformadores encararam a Oração Dominical. Na segunda, Barth discute a oração como uma ambivalente relação entre Deus e o homem em comunidade, destacando a fé e a graça. Na terceira, o teólogo analisa o texto evangélico da Oração Dominical, sempre sob a perspectiva de Lutero e Calvino.

Barth, inspirado no modelo da Oração Dominical e na experiência dos Reformadores, um vivo exemplo de oração para igreja contemporânea.

A Proclamação Do Evangelho | Karl Barth

O que é um sermão? Quais são os critérios pelos quais identificamos um sermão evangélico? Como se deve preparar um sermão autenticamente bíblico e evangélico? Essas são as perguntas que Barth se propõe a responder neste livro.

O livro A Proclamação do Evangelho, Karl Barth, um dos maiores pensadores protestantes do século XX, apresenta suas ideias sobre a prática da pregação e da proclamação do evangelho de Jesus Cristo. O autor sugere que, a pregação, pode torna-se meramente veículo de persuasão que visa obter a conversão do incrédulo ou uma outra decisão por parte do cristão. A pregação deve ser, antes de tudo, a Palavra de Deus levada à congregação por meio da graça.

Esta percepção do ato de pregar leva Barth a seguir uma Homilética diferente, onde introduções e conclusões, por exemplo, são anuladas. Esta obra é indispensável para todos que pregam, que planejam pregar ou que ouvem sermões reflexivamente.

A Revelação De Deus | Karl Barth

 A Revelação de Deus pela efusão do Espírito santo é presença de deus que arbitra e reconcilia no mundo das religiões humanas, isto é, no âmbito das tentativas que o homem faz para justificar-se e salvar-se ante a imagem de Deus que ele mesmo prega obstinada e arbitramento. A Igreja é o lugar da verdadeira religião, na medida em que vive por graça e da graça.

Karl Barth (1886-1968) talvez o teólogo mais influente de língua alemã do século XX. Filho de um ministro da Igreja reformada e catedrático em Berna, Barth foi ordenado em 1908. Seu reconhecimento da bancarrota ética da teologia protestante liberal durante o seu pastorado em Safenwill, durante a Primeira Guerra Mundial, levou-o a questionar sua própria posição. E, 1919 publicou a primeira edição de Der Romerbrief (Carta aos Romanos). O livro conquistou-lhe uma cadeira de Teologia Reformada em Gottingen e é reconhecido como o início da neo-ortodoxia, ou teologia dialética, ou teologia da crise.