MENSAGEM GOSPEL - ‘O MUNDO MUDOU, MAS DEUS NÃO’, DISSE MAGNO MALTA SOBRE CASAMENTO GAY

Notícias Gospel

‘O MUNDO MUDOU, MAS DEUS NÃO’, DISSE MAGNO MALTA SOBRE CASAMENTO GAY

Publicado em 06 de Dezembro de 2017 | Fonte: VERDADE GOSPEL


‘O mundo mudou, mas Deus não’, disse Magno Malta sobre casamento gay

FacebookTwitterCompartilhar

O senador classificou o projeto como inconstitucional

O senador classificou o projeto como inconstitucional

O projeto que trata do reconhecimento legal da união estável entre pessoas do mesmo sexo (PLS 612/2011) teve, nesta terça-feira (5), a votação adiada no Plenário do Senado por falta de quórum. O projeto chegou a ser colocado em votação, mas o senador Magno Malta (PR-ES), contrário à matéria, pediu verificação de quórum – que não atingiu o mínimo necessário de 41 senadores presentes.

Saiba mais e participe: Pr. Silas: ‘Ou os senadores apoiam Marta Suplicy, ou a constituição!'; saiba mais e proteste!

Para o senador Magno Malta, “o projeto de lei que reconhece a união estável entre pessoas do mesmo sexo, não pode ser visto como picuinha entre evangélicos e gays. Muito pelo contrário, o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Joaquim Barbosa, legislou e oficiou os cartórios a fazerem o casamento gay. Por isso o argumento, de votar no projeto já que o casamento existe, é uma falácia. A Constituição Federal reconhece o casamento de homem com mulher. Temos que respeitar, mesmo sabendo que o mundo mudou, mas Deus não mudou”, disse Magno Malta em plenário, nesta terça-feira.

Em seu relatório na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), o senador Roberto Requião (PMDB-PR) lembrou a decisão de 2011 do Supremo Tribunal Federal (STF) que reconhece o direito à formalização da união entre casais homossexuais. Ele observou, no entanto, que é responsabilidade do Legislativo adequar a lei em vigor ao entendimento consagrado pelo STF.

Marta Suplicy disse que o projeto é “uma consolidação do que já existe”. A senadora classificou a decisão do Supremo como um passo significativo da Justiça, como uma forma de proteção da lei. Ela também lembrou que em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu uma resolução sobre a celebração de casamento civil e sobre a conversão de união estável em casamento, entre pessoas de mesmo sexo.

Já o senador Magno Malta classificou o projeto como inconstitucional e criticou a postura do CNJ, que teria legislado sem competência legal. Ele negou ser “fundamentalista”, disse respeitar as posições contrárias e lembrou que o Brasil é majoritariamente cristão e católico.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Assessoria de Imprensa