MENSAGEM GOSPEL - POUPANÇA OU TESOURO DIRETO: QUAL A MELHOR OPÇÃO PARA A RESERVA DE EMERGÊNCIA?

Notícias Gospel

POUPANÇA OU TESOURO DIRETO: QUAL A MELHOR OPÇÃO PARA A RESERVA DE EMERGÊNCIA?

Publicado em 09 de Julho de 2020 | Fonte: Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo


Poupança ou Tesouro Direto: qual a melhor opção para a reserva de emergência?

 

09 de julho de 2020 às 07:00

 Compartilhar  


Foto: Michael Longmire/Unplash

O Tesouro Selic, a opção mais conservadora dos títulos públicos, sempre foi a alternativa imediata à poupança para os investimentos de curto prazo. Ele costumava representar uma maneira de ter praticamente a mesma facilidade e a mesma segurança, mas com um rendimento um pouco maior. 

Essa resposta pronta, entretanto, vem mudando conforma a taxa Selic despenca. A Selic é a taxa básica de juros do país e referência para a remuneração tanto desse título público quanto da poupança. Há um ano ela era de 6,5% ao ano, e, hoje, já foi dilacerada a 2,25%. 

O resultado é que, para aplicações a serem resgatadas em menos de um ano, a remuneração da poupança – mesmo que pífia – já está maior do que a do Tesouro Selic. Com a possibilidade não afastadas de que os juros básicos ainda voltem a cair neste ano, essa vantagem pode crescer mais.

Leia também:
Taxa sobre Tesouro Direto já tira até 11% do rendimento; veja para onde 'fugir'
FGTS já rende mais do que poupança, Tesouro Selic, CDB e LCA

Pelas regras atuais, a poupança rende 70% da Selic – o equivalente, agora, a 1,58% em um ano. Já o Tesouro Selic remunera 100% dela, ou os 2,25% inteiros, mas sujeito a desconto de imposto de renda (IR) sobre o rendimento. O IR é progressivo – quanto maior o prazo do investimento, menor o imposto –, e é por isso que optar pelo título nos prazos menores de um ano sai especialmente menos vantajoso (veja a tabela completa de IR ao fim).

Além disso, os títulos públicos ainda pagam uma taxa de custódia de 0,25% anual para a B3. A cobrança é feita sobre o valor total investido e, até bem pouco tempo, seu peso não fazia tanta diferença. Mas, conforme os juros foram se espremendo, a taxa da B3 foi pegando uma parte cada vez maior do rendimento, e é por isso que os ganhos do Tesouro Selic foram caindo para mais perto dos da poupança. A poupança é livre de taxas e de impostos.

“No momento, para o curto prazo, a poupança é muito boa opção”, defende o professor de economia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Agostinho Celso Pascalicchio. “Ela tem uma grande simplicidade operacional e a diferença nos rendimentos [em comparação ao Tesouro Selic] é muito pequena.”

Cálculos feitos por Pascalicchio a pedido do CNN Brasil Business mostram que, para um prazo de 6 meses, a poupança remunera 0,78%, contra 0,74% do Tesouro Selic já descontados IR e taxas. Para depósitos parados para mais de 2 anos, porém, o Tesouro ainda sai com alguma vantagem.

“Para quem tem pouco dinheiro são diferenças extremamente pequenas”, acrescenta o planejador financeiro José Raymundo de Faria Júnior, certificado pelo Planejar. “A pessoa não vai mudar de um para o outro, abrir conta em outro lugar. Para R$ 100 mil são cerca de R$ 50 a mais no ano; para R$ 10 mil é uma diferença de R$ 5.”

A Flourish chart

Ideais para reserva de emergência

Tanto a poupança quanto o Tesouro Selic são as principais opções de aplicação para a reserva de emergência, quer dizer, a parte do dinheiro que precisa estar sempre à mão para imprevistos ou para uso mais frequente. 

Fundos DI, que também acompanham de perto a evolução da Selic, e CDBs com liquidez diária são outros concorrentes. Para valerem a pena, entretanto, é importante que o fundo DI tenha taxa de administração baixa (menor do que 0,25% ao ano) e que o CDB remunere, pelo menos, 100% do CDI.

O CDI é uma taxa de juros do sistema bancário que anda colada à Selic. Isso significa que um CDB com 100% do CDI dá praticamente os mesmos retornos que o Tesouro Selic, sujeito aos mesmos descontos de IR - mas livre da taxa de custódia à B3.

Para investimentos de prazos superiores a dois anos, ainda dentro da renda fixa, a recomendação dos especialistas é procurar títulos com prazos mais longos, incluindo as alternativas do próprio Tesouro Direto e outras como CDBs, LCAs e LCIs. Quanto maior o prazo, maiores tendem a ser os juros oferecidos.

Simplicidade, mas rendimento datado

A histórica vantagem da poupança é a sua simplicidade e facilidade: o dinheiro pode ser sacado a qualquer minuto, instantaneamente, e geralmente já vem acoplado à conta corrente do banco. Além disso, é livre de impostos. 

O Tesouro Selic, por sua vez, é a única opção dos títulos públicos que permite resgate a qualquer tempo, antes da data de vencimento, sem risco de perdas. É por isso que sempre foi o queridinho das reservas de emergência. O dinheiro resgatado, entretanto, cai na conta depois de um dia da solicitação.

O problema da poupança, lembra Faria, da Planejar, é que os juros dela só são pago mensalmente, e só se o mês for completo – quem saca o dinheiro no meio do mês, perde todo o rendimento dele até ali. Os juros mensais da poupança são atualmente de 0,13%. 

O mês da poupança é contabilizado sempre no dia de “aniversário” do depósito – quer dizer, se o depósito foi feito em um 9 de julho, esse 0,13% será aplicado todo dia 9. Se a pessoa resgatar dias antes, não recebe nada pelo mês. É diferente da remuneração dos demais, que fazem a atualização diária dos rendimentos. 

“O principal critério de quem vai escolher uma aplicação para reserva de emergência é a liquidez”, diz Faria. “A poupança tem uma liquidez excepcional, mas tem esse ponto de perder o rendimento do mês para quem saca antes. Se for para comparar os rendimentos na vírgula, isso também tem que ser levado em consideração.”

A Flourish data visualisation

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook