MENSAGEM GOSPEL - EX-ASTRÔNOMO DA NASA REVELA QUE CIENTISTAS VÃO À IGREJA EM SEGREDO PARA EVITAR PERSEGUIÇÃO DE COLEGAS

Espaço Saúde

EX-ASTRÔNOMO DA NASA REVELA QUE CIENTISTAS VÃO À IGREJA EM SEGREDO PARA EVITAR PERSEGUIÇÃO DE COLEGAS

Publicado em 03 de Dezembro de 2017 | Fonte: NOTICIAS GOSPEL


HOME

CIÊNCIA & SAÚDE

Ex-Astrônomo Da NASA Revela Que Cientistas Vão À Igreja Em Segredo Para Evitar Perseguição De Colegas

Ex-astrônomo da NASA revela que cientistas vão à igreja em segredo para evitar perseguição de colegas

25 de novembro de 2017

 

O cientista Guy Consolmagno trabalhou na NASA e hoje é o diretor do Observatório do Vaticano, uma espécie de academia de ciências da Igreja Católica que se dedica a pesquisar e acompanhar as descobertas do mundo científico e estudá-las à luz da Bíblia Sagrada. Segundo ele, muitos cientistas vão às igrejas em segredo, para não serem perseguidos pelos colegas de profissão.

Consolmagno concedeu uma entrevista ao portal canadense Vancouver Sun, e afirmou que a noção de que a ciência e a fé são campos separados não só não é verdade, mas como “nunca foi verdade”.

 

“São apenas formas diferentes de explicar o mundo observável”, afirmou o astrônomo. “Barreiras que cresceram entre cientistas e pessoas de fé devem ser quebradas”, acrescentou, afirmando que conduz um grupo de pesquisa astronômica com o apoio total do Vaticano.

Confira a íntegra da entrevista concedida ao Vancouver Sun:

A fé e a ciência devem estar em conflito?

 

Muitos cientistas públicos estão inseguros quanto à sua classificação como cientistas. Os cientistas que você vê na TV que são proclamados ateus porque acham que lhes dá credibilidade na ciência – o que não acontece – estão desconsiderando os nove décimos da população que não se chamam ateus. Carl Sagan disse que “um ateu é alguém que sabe mais do que eu”. Mesmo ele teve que admitir que ele simplesmente não sabia sobre a existência de Deus.

Seria benéfico para o diálogo se mais cientistas surgissem como pessoas de fé?

Fiquei surpreso quando alguns dos meus colegas [cientistas] me contaram sobre as igrejas que eles frequentavam. Eu acho que seria um grande benefício para a ciência e para a religião se eles proclamassem publicamente em suas igrejas que são cientistas. É aí que isso precisa acontecer. Essas são as pessoas que precisam ouvir que a ciência é para todos. Nunca gostaria que alguém dissesse: “Você não pode fazer essa pesquisa porque você é a religião errada”. A ciência não é apenas para homens brancos antigos que afirmam ser ateus.

Nunca foi problema para a Igreja imaginar existência de vida em outros mundos?

Tanto quanto eu posso dizer, nunca foi um problema. Ao longo da história humana, as pessoas sempre assumiram que há vida em outro lugar. Foram apenas os humanistas que queriam dizer que os seres humanos eram o pináculo do universo. Os cristãos têm a tradição de anjos, seres não corporais, criados por Deus. O que poderia ser mais ciência ficcional do que isso?

Qual é a coisa mais fascinante sobre a evidência de planetas em torno de outras estrelas?

Como estudantes há 40 anos, pudemos usar as teorias do dia para explicar o que vimos no nosso sistema solar, por que os planetas estavam todos no mesmo plano, por que planetas rochosos estavam nas órbitas internas e gigantes de gás no parte externa. Belas teorias. Agora encontramos outros sistemas onde a maioria dessas coisas não é verdade. A maioria desses planetas está em um fosso de tamanho entre a Terra e Netuno, que pensamos que nem era possível. Ao enfrentar todos esses outros sistemas solares, estamos aprendendo o quão ignorantes nós éramos.

Então, é seguro dizer que há algumas lacunas sérias em nosso conhecimento de astrofísica?

É, e é por isso que é tão importante procurar a vida em outros planetas. Só então entenderemos o que é a vida e a química fundamental disso. Poderia ser que nossas ideias sobre por que a vida está aqui na Terra são tão erradas quanto nossas ideias sobre por que os sistemas solares são como são.

Com esta chamada ‘segunda lua’ em órbita e o asteroide Ounuamua 2017 U1, nosso espaço local está se sentindo um pouco lotado. Devemos fazer algo sobre isso?

Bem, quem quer que envie para explodir um asteroide não volta. Mas, o que é mais importante, não saberemos se um asteroide vai nos atingir até que seja bastante próximo e você nunca tem certeza. Se tiver uma chance de 50-50 de nos bater e você explodir em pedaços, você vai de uma chance de 50%de que isso nos atingirá a uma chance de 100 por cento de que metade deles vai bater. Isso não é uma melhoria. Essa é a ciência de Hollywood.

Existe uma diferença entre explicações teológicas e explicações científicas?

O que as pessoas não lembram é que o gênio de Galileu não era que ele fosse a primeira pessoa a construir um telescópio. Ele não foi. Não é que ele foi o primeiro a apontar para o céu. Ele também não foi. Mas ele foi a primeira pessoa a ter a imaginação para saber quais perguntas fazer para interpretar o que ele estava vendo.

Ele também teve uma ótima educação nas artes – ele era um pintor, ele podia desenhar imagens da lua, e ele era um grande escritor. A ciência precisa das artes e da grande imaginação. Eu entrei na ciência porque eu tinha lido ficção científica, então os planetas para mim são lugares onde as pessoas têm grandes aventuras. Ainda acho que essa sensação de maravilha é parte da alegria que me faz querer querer saber mais sobre o universo.

O que falta nos ensinamentos sobre a tensão histórica entre ciência e igreja?

O único exemplo que qualquer um pode apontar é Galileu, e tudo o que você acha que sabe sobre o Galileu está errado. No entanto, a verdade não faz a igreja parecer melhor. A Igreja Católica elogiou Galileu por 20 anos e, de repente, ele se tornou um problema. Por quê? Bem, há cerca de 400 livros sobre ele e todos eles têm respostas diferentes. Provavelmente era político. Copérnico publicou seu modelo astronômico (colocando o Sol no centro do sistema solar) 70 anos antes que Galileu o propôs e a Igreja nunca teve um problema com isso.

Como é o clima de investigação científica no Vaticano?

O clima é fantástico e o objetivo é mostrar ao mundo que a Igreja apoia a ciência. Minha tarefa quando cheguei foi: “Faça boa ciência”. Ponto final. “Trabalhei por 20 anos vivendo de subsídios da NASA antes de entrar nos jesuítas. Naqueles dias, eu fiz a ciência que eles estavam dispostos a pagar, e eu tive que ter resultados dentro do período de concessão de três anos, ou então, rua. Agora, tenho total liberdade para escolher minha pesquisa, segui-la e descobrir o que é a verdade.